MENU

JORNAL O+POSITIVO - FUNDADO EM 2004

domingo, 22 de Outubro de 2017

É FÁCIL VER A DIFERENÇA, COMPARE!

PUBLICIDADE

Opinião

Soluções à crise hídrica

18/09/2017, às 16h09

Geólogo Sevan Naves, Presidente da APCH –Associação das Pequenas Centrais Hidrelétricas de Goiás e da TRITON Energia

O alarmismo de que a água vai acabar, diante da crise hídrica, se repete em todo ano, sem exibir nenhuma providência. Ou seja, no próximo ano vai ser a mesma ladainha dos achistas de plantão.

Os movimentos hidrogeológicos da Terra, embora cíclicos, são dinâmicos, mudam e independem das vontades humanas.

Só que, no caso da água, o comportamento humano pode piorar na qualidade e na sua disponibilidade. Dependendo da ação antrópica, a água deixa de estar aqui para estar ali, com mais ou menos poluição, além do consumo crescendo exponencialmente.

Não acaba , portanto !!!

Sabendo que o ciclo natural das águas inicia-se com a chuva ao solo, empoçando, evaporando às novas chuvas e infiltrando no solo permeável até formar o lençol freático, que, por fonte, alimentará vagarosamente, por anos, os córregos, rios etc.

Agora –piorou -, com a impermeabilização do solo urbano e, na zona rural, o corte das matas ciliares ao redor das drenagens, a água da chuva não tem tempo de infiltrar e corre rapidamente aos drenos, aos rios, formando as grandes enchentes catastróficas. Num desperdício irresponsável de água doce.

Isto todo o final do ano, após a estiagem.

Temos é que agir. Aí, urge a conscientização e o envolvimento de todos em uma ação abrangente.

Exemplarmente, sindicatos rurais do oeste goiano estimulam a cada fazendeiro a reflorestar suas nascentes e ribeirinhos e a escavar grandes curvas de nível.

Só isto, agora, não basta, pois o solo urbano está impermeabilizado e há a urgência de se segurar as águas nas cabeceiras da bacias maiores.

A técnica recomenda implantar barragens, em sequência, para que estas águas não sejam desperdiçadas e irem direto ao mar.

Ao segurar as águas de forma sustentável, deve-se empregar as barragens de pequenos reservatórios sequenciados, nas principais bacias, que, além de guardar a água ao uso, poderá gerar a energia mais limpa e barata e menos poluente, pelas pequenas centrais hidrelétricas–as PCHs-, que não consomem água, só a força.

O uso das PCHs poderá ser uma determinante solução, ao mesmo tempo, nas graves questões que ora assustam a sociedade: a água e a energia.

Há 2 tipos de energia: a permanente (hidrelétrica (PCH) e Térmica (a combustível fóssil a gás e diesel, altamente poluente, pois emite o CO2 no efeito estufa, é cara e importada, além de ser uma energia suja)) e a intermitente, como a solar fotovoltaica. Como energia limpa, tem-se a PCH, a solar, eólica, biomassa. Em céu limpo, a solar, por exemplo, só gera até as 16 horas, e se complementa com energia permanente. Na correta política pública, a energia limpa da solar tem que ser complementada com a energia limpa da PCH e jamais com a energia suja da Térmica, a ser acionada só em emergência e não virar rotina como atualmente.

E o pior, a economia voltando à normalidade, faltará energia e como a burocracia goiana dificulta o correto florescimento das PCHs, a energia suja das térmicas será incrementada, na contramão das ações anti aquecimento global !

E quem perde são a sociedade e o meio ambiente.

 

 

Veja também

Falta de carinho e atenção em mulheres levam a falta de desejo sexual

10/10, às 14h10

Sexóloga Jamile Ribeiro explica porque é tão importante estimular a mulher com palavras e gestos de gentileza


A polêmica do Parque e a descabida generosidade do Município de Piranhas

06/10, às 17h10

Enquanto padece de necessidades como habitação para os mais pobres, pavimentação asfáltica e melhorias na saúde, município de Piranhas doou área milionária para Sindicato Rural. Para colunista João Santana, espaço onde foi construído Parque de Exposições deve ser devolvido ao erário por ato nulo de pleno direito


Compulsão sexual causa prejuízos a quem tem o transtorno

06/09, às 09h09

Médica Jamile Ribeiro diz que existe diferença entre o sexo em excesso e o gostar de sexo. O compulsivo não consegue se controlar


O preço das exceções

10/08, às 16h08

Quando as preferências individuais são priorizadas em detrimento do interesse coletivo o valor a ser pago pela sociedade pode ser caro


Qual a quantidade ideal de relações sexuais para um casal saudável

03/08, às 10h08

É comum ver comparações da vida sexual pessoal com a de amigos. Essa pergunta, inclusive, é uma das mais ouvidos pela médica e terapeuta sexual Maria Jamile em seu consultório. Ela vai respondê-la nessa edição do Jornal O+Positivo


Como a ansiedade pode interferir na sexualidade

04/07, às 14h07

Considerada por muitos como o mal do século, a ansiedade tem reflexos negativos na hora do prazer. Jamile Ribeiro explica que fazer cobranças no momento da relação sexual é uma forma de ansiedade


PUBLICIDADE