MENU

JORNAL O+POSITIVO - FUNDADO EM 2004

segunda, 19 de Fevereiro de 2018

É FÁCIL VER A DIFERENÇA, COMPARE!

PUBLICIDADE

Cidades

Socorrista que deixou de comunicar suspeita de embriaguez de motociclista é filha do socorrido

Relação teria influenciado na postura da servidora pública, que deixou de cumprir com a obrigação da função ao não acionar a autoridade competente quando observou que poderia ter ocorrido crime de trânsito

24/07/2017, às 19h07

Foto: Arquivo O+Positivo

Quando o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para atender a um acidente entre dois motociclistas, por volta das 11h30 da manhã de domingo (23), a socorrista chefe da equipe no momento, a técnica em enfermagem Bruna Oliveira de Sousa, provavelmente não sabia que estava prestar a atender a um chamado que envolvia o próprio pai, Josué Marques de Sousa, de 49 anos.

O pai de Bruna, Josué, conduzia uma motocicleta pela Avenida JK, no Setor Sudoeste, em Piranhas, quando se envolveu em um acidente com outro motociclista, o entregador de uma distribuidora de gás, Wilian Vinicios.

Acontece que, de acordo com testemunhas, o pai da socorrista, que pilotava uma Honda Fan placa NGP-4575, estava visivelmente embriagado e teria causado o acidente que envolveu Wilian, que conduzia moto do mesmo modelo placa NFX-2316. Além disso, Josué não teria carteira nacional de habilitação para conduzir o veículo.

O que poderia ser um atendimento comum ganhou excepcionalidade quando Bruna, ao ver que se tratava do pai, assumiu a responsabilidade e pediu ao entregador da distribuidora que não procurasse a Polícia, pois “o pai estava embriagado e não possuía habilitação”, teria dito a mulher a Wilian ainda na ambulância.

Além disso, para proteger o pai, Bruna deixou de cumprir uma das regras do Samu, que determina, em seu “Protocolo de Suporte Avançado de Vida”, que “em ocorrências com indícios de crime”, os socorristas “deverão atentar para a segurança da equipe, informar precocemente a Regulação Médica, avisar ao policiamento” e ainda, “considerar a necessidade de apoio policial”. O documento ainda diz que considera-se “indícios de crime todo atendimento com características de acidentes como trânsito, queda, incêndios”. A técnica em enfermagem ignorou os Protocolos Especiais (PE17) do órgão onde é servidora.

Como a Polícia Militar (PM) não foi acionada para o registro do Boletim de Ocorrência (BO), horas depois, procurada pela equipe de reportagem do Jornal O+Positivo para que os fatos fossem noticiados, Bruna se mostrou irritada e disse que não passaria nenhuma informação. Posição parcialmente revista após ser questionada a sua atitude enquanto servidora pública.

A reportagem do Jornal O+Positivo chegou ao local do acidente antes mesmo que o Samu e presenciou de perto toda a movimentação que envolveu a batida, inclusive a insistência de Josué para que a Polícia não fosse acionada e a confissão de que “não possui habilitação”.

Contrariando a mesma normativa (PE17) do órgão que trabalha, já citada acima, a coordenadora da base do Samu em Piranhas, Milene Almeida, fez um comentário na página do Jornal O+Positivo no Facebook onde deixa claro ter “comprado a briga” da colega e dizendo que “não temos tempo pra ligar pra polícia”. (SIC) “Só pra esclarecer essa postagem! Qd a Central de Regularização 192 SAMU em Iporá é acionada, imediatamente eles comunica a nossa Base de Piranhas SAMU , precisamos chegar no local em menor tempo possível para socorrer a vítima ou as vítimas. O tempo médio para o atendimento do chamado ao Serviço SAMU é de 8 a 15 minutos. O SAMU ( SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL BÁSICO DE URGÊNCIA) , está para realizar atendimento de suporte básico, a qualquer pessoa em qualquer situação. Primeiro precisamos realizar o atendimento o mais rápido possível. Qd a Equipe tem RISCO INERENTE , comunicamos a CENTRAL DE REGULAÇÃO 192 SAMU de Iporá, e posteriormente eles solicita o policiamento.. Caso ao contrário nunca fizemos esse tipo de comunicação, uma vez que o suporte básico não deve passar a situação do paciente.. Quem comunica ou vai colocar no laudo o estado de embreaguez ou hálito etílico e o médico que atendeu. Enfim, não temos tempo pra ligar pra polícia , a não ser qd a equipe está correndo risco no local do acidente..” (SIC), disse a mulher.

O Samu é público e deve atender a sociedade e seus interesses e não proteger a quem quer que seja. O Jornal O+Positivo está de olho.

Veja também

Prefeitura de Piranhas assume a limpeza até que nova empresa seja contratada

19/01, às 14h01

A Brasil Construtora e Serviços, até então responsável pela coleta do lixo e varrição em Piranhas, não pagou o salário do mês de janeiro aos funcionários. A empresa ainda deixou de recolher o ISSQN ao município durante o ano de 2017 e a dívida ultrapassa R$ 37 mil. Apesar disso, a firma se nega a fazer um acerto de contas que abateria o débito do tributo com o pagamento do mês de dezembro, deixado em aberto pela Prefeitura. A anulação do contrato deve acontecer hoje e a administração vai assumir o serviço até que uma nova empresa seja convocada


Piranhenses sofrem com malha asfáltica danificada há mais de 20 anos

17/01, às 08h01

O problema é bem mais antigo do que as fotos feitas pelo Jornal O+Positivo em 2004, que já mostravam a precariedade das vias em diferentes bairros do município. 14 anos se passaram e ninguém foi capaz de colocar fim ao transtorno, mas o prefeito Eric de Melo garante que entrou no caso para resolver. Saiba tudo na reportagem especial que preparamos para você


Câmara concede título de cidadão arenopolino a João Santana e a Marinho

03/01, às 14h01

Homenagem foi entregue ao diretor do Jornal O+Positivo e ao empresário da construção civil José Marinho, que nasceram em diferentes cidades mas que contribuíram para o crescimento de Arenópolis


Dia da Bíblia será comemorado em Piranhas

09/12, às 08h12

Carreata e culto religioso estão programados para o próximo domingo. Prefeitura convida a todos, independente da crença, para participarem


Pontes danificadas são reconstruídas em Piranhas

04/12, às 00h12

Tráfego de veículos já foi liberado nas três pontes. Estrutura moderna com vigas de concreto pré-moldado era desejo antigo dos transeuntes


Dívida superior a 4,5 milhões pode levar Celg a interromper o serviço para o município de Piranhas

29/11, às 16h11

Desde 2009 a prefeitura não paga as faturas referentes aos prédios públicos e iluminação das ruas. Acordo entre empresa e administração tenta colocar fim ao impasse. Para prefeito, esse é o maior "gargalo" da gestão


PUBLICIDADE