MENU

JORNAL O+POSITIVO - FUNDADO EM 2004

terça, 16 de Janeiro de 2018

É FÁCIL VER A DIFERENÇA, COMPARE!

PUBLICIDADE

Política

Jair Bolsonaro empregou a mulher em maior cargo do gabinete com salário de R$ 14,1 mil, diz jornal

Além de empregar, o deputado também promoveu a mulher sete meses depois

09/12/2017, às 08h12

Foto: Reprodução

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência da República, empregou sua atual mulher, Michelle, durante um ano e dois meses, com o maior cargo em seu gabinete na Câmara dos Deputados, o SP28s, e salário de R$ 8.040 (R$ 14,1 mil hoje). A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Antes, Michelle trabalhava na liderança do PP, partido que já teve Bolsonaro entre os filiados. Quando foi dar expediente no gabinete do marido, ela ainda foi promovida e teve o salário quase triplicado. Michelle começou o trabalho no escritório do político em 18 de setembro de 2007. Após nove dias, o casal firmou o pacto antenupcial no 1º Ofício de Notas de Brasília e se casaram depois de dois meses. Já como “senhora Bolsonaro”, ela ainda ficou trabalhando por um ano com o marido, quando foi exonerada, em novembro de 2008. A despedida aconteceu dois meses depois de o Supremo Tribunal Federal (STF), consolidar o entendimento de que a Constituição de 1988 proíbe o nepotismo na administração pública. Segundo a Câmara dos Deputados, antes de trabalhar com Bolsonaro, Michelle tinha o cargo CNE-13 com salário de R$ 2 900 (R$ 5 300 hoje) Quando foi contratada por ele passou para o cargo SP26s e ganhava R$ 6.010 (R$ 10,9 mil hoje), mas após sete meses foi promovida pelo marido ao cargo de SP28s, com salário de R$ 8.040 (R$ 14,1 mil hoje).

Mais parentes

Essa não foi a primeira vez que o parlamentar contratou parentes para trabalhar em seu gabinete. Nos anos 1990, familiares da futura segunda mulher, Ana Cristina Vale, que trabalhou no gabinete de correligionários de Bolsonaro. Na época, ele disse para a Folha de S.Paulo que estava se divorciando da primeira mulher, Rogéria. “A Ana Cristina é minha companheira. Não somos casados. Portanto, não são meus parentes.”

Um dos filhos de Jair, o hoje deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), também já deu expediente no gabinete do pai, o que foi revelado por ele mesmo durante um discurso na Câmara.

“Já tive um filho empregado nesta casa e não nego isso. É um garoto que atualmente está concluindo a Federal do Rio, uma faculdade, fala inglês fluentemente, é um excelente garoto. Agora, se ele fosse um imbecil, logicamente estaria preocupado com o nepotismo, ou se minha esposa fosse uma jumenta eu estaria preocupado com nepotismo também”, afirmou Jair Bolsonaro, em 2005.,

Em 2008, o STF disse que o nepotismo viola os princípios da moralidade e impessoalidade expressos na Constituição de 1988, não necessitando de lei específica para sua proibição. Ou seja, os infratores podem responder a ação de improbidade. Lembrando que a vedação ao nepotismo já estava expressa na lei que trata do regime jurídico dos servidores públicos civis da União, de 1990 –ela proíbe ao servidor manter “sob sua chefia imediata, em cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau.”

Esclarecimentos

O jornal Folha de S.Paulo entrou em contato com a assessoria de Jair Bolsonaro, mas não houve respostas. A reportagem ainda tentou falar com o deputado por telefone, mas não conseguiu contato.

Em outras oportunidades, como em 2007, o deputado defendeu a prática e criticou o jornal, que na época revelara que deputados federais davam emprego a 68 parentes por R$ 3,6 milhões ao ano. “Vocês não querem saber se é competente, se não é. Só querem saber se é parente. E esculacha o nome do parlamentar. Pode escrever isso aí”, disse, na ocasião, o atualmente presidenciável.

Ao jornal O Globo, ele informou que agiu dentro da lei ao se pronunciar sobre a contratação de familiares de uma ex-mulher.

Fonte: O Popular

Veja também

Bens de Otair serão leiloados pela Justiça e quantia será devolvida ao município de Piranhas

11/01, às 21h01

Poder Judiciário espera reaver quase R$ 2 milhões já que, segundo apurado, ex-prefeito se beneficiou ao criar Comissão Permanente de Licitação que direcionou empresa vencedora de processos quando foi gestor em 1996. 23 alqueires de terra serão leiloados em fevereiro


Jader Moraes é empossado presidente da Câmara de Arenópolis

03/01, às 11h01

Parlamentar era vice-presidente da Casa e assumiu o comando com a renúncia do presidente Jader Alves


Ao reassumir a Prefeitura de Arenópolis, Flávio Júnior anuncia cortes

02/01, às 13h01

“Vamos preparar a gestão para a realização de obras”. Prefeito havia se licenciado durante trinta dias para tratar uma pancreatite aguda. Durante o afastamento, o vice-prefeito Ovarci Vilela comandou o município


Prestes a completar um ano de gestão, Valéria Ferreira é aprovada por mais de 97%

02/01, às 09h01

Pesquisa feita em 13 de dezembro mostrou que a prefeita do PT é a mais bem avaliada da região. População de todos os setores foi ouvida pelo Jornal O+Positivo, que também avaliou cada área individualmente


Avaliação da administração de Fernanda em Baliza salta de 79% em abril para mais de 87% em novembro

04/12, às 09h12

Pesquisa do Jornal O+Positivo também mostra como cada área está sendo avaliada de forma individual pelo balizense


Ovarci Vilela toma posse interinamente em Arenópolis

03/12, às 14h12

O prefeito licenciado, Flávio Júnior, continua internado em Goiânia. Segundo os familiares, recuperação é lenta


PUBLICIDADE